17/12/2019 10h06min - Especiais
11 meses atrás

Este pai preparou o fusca da família para uma aventura com os filhos nas estradas de MS

Pai preparou o fusca da família para uma aventura

Divulgação ► Pai faz aventura com os filhos em Fusca 1974

Odilo Balta / jornalcorreiodosul@terra.com.br
Fonte: Assessoria de Comunicação


Criar memórias com os filhos nas férias é criar momentos para a vida toda! E foi isso que pensou o investigador da Polícia Civil Gledson Maidana ao se aventurar com os dois filhos Miguel, de 8 anos, e Maria Clara, de 4 anos, por 426 km de Cassilândia a Campo Grande à bordo de um fusca de 1974 personalizado.

A família, composta por Gledson, a esposa e os filhos, eram de Campo Grande mas se mudaram para a cidade próxima a divisa com o estado de Goiás há 7 anos por causa do trabalho. A viagem era feita de ônibus ou no carro convencional da família, mas nesse ano eles decidiram se aventurar de fusca.

Uns falavam q era loucura, mas graças a Deus deu tudo certo. Não tivemos nenhum imprevisto e aproveitamos a viagem. Só foi demorada. Geralmente a gente faz essa viagem em 4h em nosso carro habitual. Mas dessa vez resolvemos mudar. Gosto de carro antigo, sou apaixonado, tenho um opala também”, conta o pai ao Jornal Midiama

Fusca é de 1974 e tem motor 1.300. Foi comprado há apenas 6 meses com algumas manchas e já personalizado com adesivos vintage. Apesar disso, foram os brinquedos das crianças que fizeram o carro virar uma peça única.

“Fiz uma revisão e resolvi coloca na estrada. Peguei os brinquedos do meu filho, com autorização dele é claro, e o decoramos com os que havíamos juntado para doação para deixar com as características dele de super herói. Levo meus filhos na escola no fusca e todas crianças ficam de olho admirando. Sempre gostam”, ressaltou.

O policial civil lembra que durante o trajeto os motoristas e caminhoneiros adoravam a ponto de fazer vídeos e acenar na estrada. Nos postos onde abastecia, os frentistas não acreditavam na distância percorrida com um carro vintage.

A parte bacana era que a grande a maioria dos carreteiro na estrada dos carros que passam por nós davam com a mão, buzinavam, faziam vídeos em movimento, davam luz alta… e quando parava nos postos para abastecer o pessoal não acreditava que estava vindo de Cassilândia e indo para Campo Grande com duas crianças no fusca. Uns falavam que era loucura, outros aventura. Caso tivesse problemas mecânicos estaria muito enrolado. Mas deu tudo certo afirma o policial Gledson Maidana.

Midiamax