12/04/2019 - 08h50min

Deficit da previdência custa R$ 483 para cada sul-mato-grossense

[ FOTO: Divulgação ] O rombo chega a R$ 1,2 bilhão.

Cada sul-mato-grossense paga, em média, R$ 483 para cobrir o deficit da previdência estadual. A estimativa foi feita pela Federação da Indústria do Rio do Janeiro (Firjan).

De acordo com o levantamento, publicado hoje, Mato Grosso do Sul tem o nono menor deficit entre os estados brasileiros.

Mesmo assim, o rombo chega a R$ 1,2 bilhão. Para equilibrar as contas, o governo estadual precisa fazer aportes, que saem dos cofres públicos.

O estudo apontou que, das 27 unidades da federação, somente quatro não tem deficit na previdência. A situação é mais grave, porém, em estados como São Paulo (R$ 18 bilhões de deficit), Rio Grande do Sul (R$ 11,1 bilhões) e Rio de Janeiro (R$ 10,6 bilhões).

Os dados utilizados de base para a análise são da Secretaria de Previdência, do Ministério da Economia e são de 2017. No Rio Grande do Sul, por exemplo, esse custo por habitante chega a R$ 1.038 por ano.

O levantamento alertou também para a discrepância no gasto com pessoal entre ativos e inativos. Em 14 estados, incluindo Mato Grosso do Sul, os servidores inativos e pensionistas custam mais que servidores ativos.

No Estado, por exemplo, o gasto com servidor ativo gira em média de R$ 5 mil. Já com aposentados, é de quase R$ 7 mil. A Firjan também alertou para o aumento do gasto com pessoal em todas as unidades da federação.

Mato Grosso do Sul, embora tenha baixado em comparação a 2018, continua próximo de atingir o limite máximo de comprometimento das receitas com folha de pagamento, acima dos 55%. Em 2016, o comprometimento da folha era de 50%.

Ao todo, o déficit da previdência dos estados chega a R$ 77,8 bilhões, de acordo com dados de 2017, últimos disponibilizados pela Secretaria de Previdência, do Ministério da Economia, que oferece uniformidade na declaração dos estados.

“A situação é de total insolvência”, alertou Jonathas Goulart, gerente de estudos econômicos da federação, sobre a situação fiscal e a necessidade da aplicação direta da reforma da previdência nos estados.

Das 27 unidades federativas, somente quatro estados que apresentaram equilíbrio no regime de previdência. Amapá, Roraima, Rondônia e Tocantins foram na contramão do País e tiveram sobra no caixa da previdência.


Correio do Estado


Fonte: Assessoria de Imprensa
TAGs: AGEPREV Mato Grosso do Sul Deficit da Previdência Firjan Jornal Correio do Sul
Editoria: Geral



Nossas Editorias

· Educação
· Especiais
· Esporte
· Geral
· Naviraí
· Polícia
· Política
· Região
Jornal Correio do Sul TV
Editor: Odilo Balta

E-mail: jornalcorreiodosul@terra.com.br
Endereço: Av. Nelsi G. Simas,
Naviraí - MS - Brasil

+55 67 9974-9649


Online desde 01/07/2007
Desenvolvido por
ANSIM