O assunto é: Geral

25/02/2019 - 08:58

Usando ações de inteligência, PF mira atacadistas de cocaína

[ FOTO: Álvaro Rezende / Correio do Estado ] Delegado Lucas Vilela é responsável da Delegacia de Repressão a Entorpecentes

Utilizando-se de estratégias de repressão mais abrangentes, notadamente o serviço de inteligência, a polícia tem focado os grandes atacadistas de cocaína (volumes expressivos), com significativas apreen­sões neste início de ano. São mais de 2,5 toneladas do entorpecente interceptadas em menos de dois meses, em Mato Grosso do Sul. Os resultados são atribuídos ao trabalho de investigação da Polícia Federal, aliado a parcerias com outros organismos de repressão, inclusive do Paraguai, como a Secretaria Nacional Antidrogas (Senad). A justificativa é do delegado Lucas Vilela, da Delegacia de Repressão a Entorpecente (DRE), da PF no Estado. Ele também cita o aumento da produção de cocaína na Bolívia, na Colômbia e no Peru. Apenas em janeiro e fevereiro deste ano, as polícias Federal e Rodoviária Federal já apreenderam, em Mato Grosso do Sul, 2.086 quilos de cocaína, considerando somente os grandes volumes. Somadas ao que foi interceptado pela Polícia Militar e pela Receita, as apreensões chegam a 2.781 quilos. De acordo com a PF, a quantidade de dois meses deste ano já está próxima da apreendida durante todo o ano passado – 3.972 quilos. Neste ano, foram quatro apreensões significativas. A primeira, em janeiro, ocorreu no Posto Capey, em Ponta Porã, onde a Polícia Rodoviária Federal barrou um veículo BMW X5 com 940 quilos. A carga seguiria para São Paulo e depois ao exterior. Correio do Estado


Fonte: Assessoria de Comunicação
TAGs:  •  Mato Grosso do Sul •   Fronteira •   Trafico de Drogas •   Cocaina •   Polícia Federal •   Senad •   Lucas Vilela •   Jornal Correio do Sul
Editoria: Geral

Desenvolvido por
ANSIM