13/03/2017 16h50min - Geral
6 anos atrás

Audiência debate projeto que proíbe pesca do Dourado nos rios de Mato Grosso do Sul


Pesca&Cia ► Deputado afirma que número de peixes da espécie caiu drasticamente

Odilo Balta / jornalcorreiodosul@terra.com.br
Fonte: Assessoria de Comunicação


Audiência pública será realizada na quarta-feira (15), na Assembleia Legislativa, para debater projeto que proíbe a pesca do Dourado nos rios de Mato Grosso do Sul. De autoria do deputado Beto Pereira (PSDB), a proibição deverá durar oito anos, para haver tempo suficiente para aumento da população da espécie. A proposta, entretanto, não proíbe a modalidade pesque e solte, praticada pelos adeptos da pesca esportiva. "A pesca esportiva responsável não é predatória e gera renda para quem trabalha com o setor turístico do Estado. Essa atividade movimenta a economia de muitas cidades do Mato Grosso do Sul que vivem do turismo pesqueiro", justificou o deputado. O parlamentar afirma ainda, que a proibição da captura e comercialização não influenciará de forma impactante na renda dos pescadores profissionais, uma vez que, esse peixe é o sétimo na lista de espécies comercializadas no mercado local. AMEAÇA De Acordo com o relatório do Sistema de Controle de Pesca, emitido pela EMBRAPA, IMASUL e Policia Militar Ambiental, o Dourado encontrado nos rios da Bacia do Alto Paraguai, que compreende a Região do Pantanal, caiu drasticamente em 20 anos. Em 1994, foram 50 toneladas pescadas. Em 2014, retiraram menos de 10 toneladas do peixe. "É visível que o peixe está desaparecendo dos nossos rios. Se não tomarmos medidas urgentes a situação pode ficar ainda mais crítica e o Dourado ser ameaçado de extinção. Precisamos discutir o projeto com atenção especial ao meio ambiente", afirmou Beto Pereira. Atualmente já existem Leis que proíbem a pesca do Dourado em Estados como Paraná, Mato Grosso e Goiás, e em países como a Argentina. No Mato Grosso do Sul, cidades com Aquidauana e Corumbá já têm legislações próprias que não permitem a captura do Dourado. Na audiência pública estarão presentes pescadores profissionais e esportivos, pesquisadores, biólogos e representantes de órgãos oficiais ligados à proteção e fiscalização do meio ambiente. CorreiodoEstado