21/07/2021 14h41min - Geral
um ano atrás

Campo Grande permanece na bandeira vermelha e MS não tem cidades em cinza.

Saúde diz que situação pandêmica está melhorando, mas não é hora de relaxar medidas

TCHÊ PRODUÇÕES.  ► Maioria dos municípios está na bandeira laranja.

Odilo Balta / jornalcorreiodosul@terra.com.br
Fonte: Assessoria de Comunicação


A melhora nos índices da pandemia de Covid-19 em Mato Grosso do Sul começa a refletir na classificação das cidades por cores de bandeira, com a maioria em bandeira laranja, que representa grau de risco médio de contaminação.

Campo Grande permanece no grau de risco alto, na bandeira vermelha, mas Mato Grosso do Sul não tem municípios no grau extremo, pela segunda quinzena consecutiva.

Novo boletim do Programa de Saúde e Segurança da Economia (Prosseguir) foi divulgado nesta quarta-feira (21).

Conforme o mapa situacional, há 41 municípios na bandeira laranja, 32 em bandeira vermelha e seis na amarela.

Não há nenhuma cidade na bandeira verde, de grau de risco baixo, e nenhuma na bandeira cinza, de grau extremo.

Como grande parcela das cidades se enquadram nos riscos alto e médio, as recomendações é que se mantenham as medidas de biossegurança.

“Estamos tendo uma melhora em Mato Grosso do Sul, mas nem por isso você vai poder deixar de usar sua máscara, fazer a sua vacinação dose 2, tem que vacinar a vacinação completa”, disse a secretária adjunta de Saúde, Christinne Maymone.

"Estamos lentamente saindo de um quadro vermelho para um quadro laranja. Precisamos ter um quantitativo de 75%, 80% de pessoas vacinadas, porque só assim o vírus vai deixar de se multiplicar", completou Christinne.

O secretário de Saúde, Geraldo Resende, destacou que a variante Delta, mais transmissível, está presente no Brasil e em transmissão comunitária.

Dessa forma, ele também pede que a população mantenha o distanciamento social, uso de máscaras e regras de higiene.

"Precisamos avançar o processo vacinal tendo em vista que todos os estados que fazem fronteira com o Ms já tem presença da variante Delta", afirmou Resende.

CORREIO DO ESTADO