05/11/2021 09h08min - Geral
10 meses atrás

Capital segue o País e reajusta IPTU em 10%.

Tabela com os novos números para 2022 foi publicada na edição do Diogrande desta quinta-feira.

TCHÊ PRODUÇÕES.  ► Índice de reajuste acompanha o IPCA-E, aferido pelo IBGE para medir a inflação no País.

Odilo Balta / jornalcorreiodosul@terra.com.br
Fonte: Campo Grande News


Prepara o bolso contribuinte. O IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) vai ficar mais caro em 2022. A prefeitura de Campo Grande, a exemplo de outras capitais brasileiras, como São Paulo, Porto Alegre, São Luís, Porto Velho, Belo Horizonte, Teresina, entre outras, vai reajustar o imposto em 10,05%, com base no IPCA-E (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo Especial).

O decreto reajustando o tributo na cidade para o próximo ano foi publicado no Diogrande de hoje, 4. Além do índice também foram publicadas as demais mudanças de valores venais dos imóveis.

Calculado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o IPCA-E é um dos principais padrões de preço do País e afere a inflação. Assim, como o reajuste do IPTU acompanha o índice IPCA-E, não houve aumento real do valor e não foi preciso que a mudança no valor do tributo passasse pelo crivo da Câmara Municipal.

Em 2020, a prefeitura reajustou em apenas 2,65% o IPTU para 2021, também baseado no IPCA-E. Na época, o valor venal do m² na cidade ficou na faixa dos R$ 75,66 a até R$ 4.350,17. Agora, a tabela aponta que eles variam de R$ 83,27 a R$ 4.787,36.

No caso de imóveis residenciais comuns, o valor venal mínimo cobrado por metro quadrado será de R$ 208,14, enquanto maior fica na faixa dos R$ 3,6 mil. Já no caso de condomínios horizontais, a tabela da prefeitura indica variação de R$ 320 a R$ 3,6 mil, seguidos por R$ 368 a R$ 3,8 mil em prédios e R$ 124 a R$ 2 mil em galpões.

CAMPO GRANDE NEWS