17/05/2017 09h03min - Política
6 anos atrás

Congresso dos EUA solicita ao FBI documentos de Comey sobre Trump

EUA, FBI, TRUMP, CONGRESSO

G1 ► O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

Odilo Balta / jornalcorreiodosul@terra.com.br
Fonte: Assessoria de Comunicação


Comitê de Inteligência da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos solicitou nesta terça-feira (16) ao FBI, todos os documentos que seu ex-diretor James Comey elaborou sobre suas conversas com o presidente Donald Trump. A petição, assinada pelo presidente do comitê, o republicano Jason Chaffetz, inclui "memorandos, notas, resumos e gravações" em poder do FBI para que sejam entreguem antes do dia 24 de maio. "Se for verdade, estes memorandos apresentam dúvidas sobre se o presidente tentou influenciar ou impedir a investigação do FBI no que se refere ao general (Michael) Flynn", disse Chaffetz, em sua carta dirigida ao diretor interino do FBI, Andrew G. McCabe. O caso se complicou para Donald Trump depois que o ex-diretor do FBI, James Comey, relatou que o presidente dos EUA pediu o fim das investigações sobre a interferência da Rússia nas eleições americanas. A informação foi divulgada pelo jornal "New York Times" e, se confirmada, implica o magnata no crime de obstrução de Justiça, o que poderia levar a um pedido de impeachment do presidente americano. Em um destes documentos, tinha o pedido de Trump para que Comey encerrasse uma investigação sobre as ligações da Rússia com seu ex-assessor de segurança nacional, o general aposentado Michael Flynn. "Espero que possa deixar isto passar", disse Trump a Comey, segundo o texto divulgado pelo jornal. "É um bom sujeito", acrescentou o governante, de acordo com o "NYT". Na semana passada, Trump demitiu James Comey, que comandava a investigação do FBI para esclarecer as ligações dos russos com a campanha presidencial de Trump, um assunto também abordado pelo Congresso. Ainda na semana passada, o Comitê de Inteligência do Senado ordenou que Comey entregasse todos seus documentos relacionados com a Rússia, depois de ele se negar a colaborar com a investigação. G1