31/08/2015 16h07min - Geral
8 anos atrás

Deputados recebem proprietários e CPI pode ser aberta na ALMS

conflito de terras

R.Higa/AL/MS ► Deputados receberam alguns proprietários que acusam o CIMI de pregar invasões e violencia

Odilo Balta / jornalcorreiodosul@terra.com.br
Fonte: Assessoria de Comunicação


Os deputados estaduais Mara Caseiro (PTdoB) e Zé Teixeira (DEM) receberam na tarde desta sexta-feira (28/8) um grupo de proprietários rurais que pedem apoio para resolver os conflitos na disputa pela terra com indígenas. Os fazendeiros acusam o Cimi (Conselho Indigenista Missionário) de financiar as ações dos índios e por isso a deputada estuda a criação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apurar as denúncias. “Recolhemos as acusações e é preciso investigar se os indígenas são incitados à guerra. É claro que ninguém incita à toa, vamos apurar qual o interesse financeiro por trás disso. No Cimi deve ter gente de bem, mas retirar propriedades de fazendeiros que as têm por direito? Por que o Cimi não incentiva ou financia plantações aos índios, melhoria de renda deles? Enfim, não podemos ficar omissos às denúncias”, explicou a deputada. O requerimento para a abertura da CPI deverá ser apresentado por Mara Caseiro na terça-feira (1/9). “Os índios alegam que estão ocupando as áreas que são deles tradicionalmente, mas os fazendeiros entendem isso como invasão, porque foi a União quem concedeu o título das terras a eles, a maioria há mais de 50 anos. Aí o Cimi diz aos índios que têm mais 128 áreas indígenas a serem estudadas e incitam eles a entrarem. Isso fere o estado democrático de direito”, resumiu o deputado Zé Teixeira. Entre os proprietários presentes na reunião estava Vanth Vanni, que está sem a posse de suas terras na região de Sidrolândia há dois anos. “Os índios entraram, a polícia retirou e teve até morte, infelizmente. A União prometeu resolver em 45 dias e até hoje nada. Pedimos apoio aos deputados para ao menos sermos ressarcidos com o valor das terras. Eu nunca tive problema com índio, pelo contrário, convivia vizinho deles desde os 16 anos de idade e tinha orgulho disso. Mas agora o Cimi, que inclusive integrantes foram presos pela Polícia Federal na invasão, incentiva eles a entrarem e eles estão lá, sem recurso, sem conseguir plantar, sofrendo e nós também”, contou o proprietário rural. Para que a CPI seja aberta são necessários oito votos dos deputados estaduais durante a sessão plenária. Segundo o site oficial do Cimi, a entidade é um organismo vinculado à CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) que, em sua atuação missionária da Igreja Católica com os índios, visa promover o fortalecimento do “processo de autonomia desses povos na construção de um projeto alternativo, pluriétnico, popular e democrático” e garantir “o protagonismo dos povos indígenas nas lutas pela garantia dos direitos históricos”. AL/MS