07/03/2017 08h34min - Educação
6 anos atrás

Em adesão a movimento nacional, professores de MS param no dia 15


Ilustração ► Professores de MS param no dia 15

Odilo Balta / jornalcorreiodosul@terra.com.br
Fonte: Midiamax News


Professores das escolas municipais de Campo Grande e estaduais aderiram ao movimento da CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação), e irão entrar em greve no próximo dia 15 de março. A greve é contra a reforma da previdência e reivindica a implementação da Lei do Piso Salarial Nacional. SAIBA MAIS Corremos o mesmo risco do ES? Maior 'greve' da PM no Estado já tem 20 anos Prefeitura dobra carga horária de grevistas e servidores reclamam de sobrecarga Operação de ônibus no ABC paulista é parcialmente retomada De acordo com o comando nacional, a greve é por tempo indeterminado. Já em Campo Grande e Mato Grosso do Sul, de início, a paralisação ocorre do dia 15 ao 19. Às 14 horas desta terça-feira (07), haverá uma assembleia no Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo, entre a ACP (Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação Pública) e Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul) que irão discutir a duração inicial da mobilização. As assembleias da ACP e Fetems que determinaram a adesão ocorreram nesta segunda-feria (06). Os trabalhadores da educação em Dourados também aderiram, na última sexta-feira (3), à Greve Geral Nacional. A decisão foi tomada em assembleia realizada na sede do Simted (Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação). Leia nota da ACP ACP Contra o Fim da Aposentadoria Depois de aprovar a PEC do Teto de Gastos, reduzindo a níveis drásticos o financiamento de politicas públicas fundamentais para a população brasileira, o governo Temer promove o ataque mais severo à classe trabalhadora. A PEC 287/2016, denominada Reforma da Previdência, é, na verdade, o fim da aposentadoria. Um plano que pretende extinguir a aposentadoria por tempo de contribuição; que aumenta a idade mínima para as mulheres se aposentarem, elevando a 65 anos para todos; que acaba com a aposentadoria especial para professores da educação básica e ainda reduz o valor do benefício a que os segurados terão direito após uma vida toda de trabalho não pode ser chamado de reforma. É a morte da aposentadoria! Essa é a hora crucial para a união dos trabalhadores do país. Nunca foi tão importante nossa mobilização sindical, não podemos deixar que golpistas acabem com direitos conquistados com muito sacrifício. Vamos todos juntos CONTRA O FIM DA APOSENTADORIA! Só a luta nos garante! Midiamax