15/02/2017 09h01min - Polícia
6 anos atrás

Fraude em assentamento era feita com cotações falsas e empresa familiar

O principal suspeito do esquema, foi preso pela PF.

Divulgação/PF ► Moto e camionetes foram apreendidas em esquema de fraude no assentamento Conquista

Odilo Balta / jornalcorreiodosul@terra.com.br
Fonte: A Gazeta News


A operação Conquista, deflagrada pela PF (Polícia Federal) de Naviraí em Tacuru - município localizado 427 km de Campo Grande - nesta terça-feira (14) fechou o dia com a prisão de uma pessoa e apreensão de vários documentos relativos a apuração de fraudes nas comprar do assentamento Conquista, usando cotações falsas e uma empresa familiar. As fraudes consistiam em desvio recursos destinados ao financiamento de projetos das Associações de Trabalhadores Rurais do Assentamento Conquista. O valor passa dos R$ 3 milhões, sendo que poucos serviços ou compras de materiais para os quais a verba foi destinada foram executados. O principal investigado no esquema, suspeito de enriquecimento ilícito, foi preso em flagrante durante o cumprimento de mandados de busca e apreensão. Na casa dele foram encontradas armas ilegais. Além disso, outros mandado foi cumprido em Tacuru e quatro conduções coercitivas realizadas, uma delas em Campo Grande. "O cidadão que ficou responsável pela estruturação da associação, que deveria em tese se reunir por conta própria, e não por iniciativa de um terceiro, simulava cotações. Haviam notas fiscais de serviços não executados, compras feitas de uma empresa que ele abriu em nome da mãe dele", explica o delegado da PF, Lucas Vilela. Contas bancárias de investigados no esquema foram bloqueadas pela Justiça. Além disso, durante os trabalhos de hoje, foram apreendidas as armas do principal investigado, um barco, duas camionetes e uma motocicleta. "As camionete e a moto eram de alto padrão", frisa o delegado. Desvios - Conforme a assessoria de imprensa da PF, as verbas desviadas são oriundas do Programa Nacional de Crédito Fundiário e os presidentes das associações do assentamento, dividido em três parcelamentos, eram apenas "laranjas" do alvo principal da investigação. CampoGrandeNews