29/06/2016 13h54min - Polícia
7 anos atrás

Golpistas "ressuscitaram" pessoas para sacar R$ 10 milhões da Justiça Federal

Alvos eram pessoas que tinham ações contra a União para recebimentos

Ilustração ► Golpistas "ressuscitaram" pessoas para sacar R$ 10 milhões da Justiça Federal

Odilo Balta / jornalcorreiodosul@terra.com.br
Fonte: Assessoria de Comunicação


Esquema em que golpistas ressuscitaram pessoas por meio de falsificações de documentos e sacaram mais de R$ 10 milhões em ações contra a União, referentes a precatórios julgados pela Justiça Federal em Mato Grosso do Sul, é desarticulado em operação batizada de Lázaro, desencadeada na manhã de hoje. Cerca de 50 policiais federais, entre eles de Campo Grande, cumprem oito mandados de busca e apreensão, cinco mandados de prisão temporária e cinco de condução coercitiva nos municípios de Diadema, Jundiaí, São Bernardo do Campo, São José dos Campos, São Paulo, São Luis (MA) e Teresina (PI). Segundo a PF, a ação policial é a segunda fase da Operação Triângulo dos Precatórios, desencadeada contra grupo que agia no mesmo sentido: em saques indevidos junto à Justiça Federal. Criminosos selecionavam precatórios disponíveis para retirada de dinheiros, preferencialmente, de pessoas já falecidas, ressuscitando-as mediante a falsificação de documentos, como procurações. Estima-se que a organização criminosa tenha, desde que as investigações foram iniciadas, feito saques fraudulentos de mais de R$ 10 milhões. Dinheiro que era movimentado e ocultado por meio de contas bancárias em nome de pessoas físicas e jurídicas laranjas. Depois, usado em aquisições de veículos esportivos importados e de alto luxo. Ainda conforme a instituição federal, os precatórios em questão estavam junto à Justiça Federal de Mato Grosso do Sul e os saques foram feitos nas cidades onde mandados são cumpridos. Somente materiais das buscas e apreensões são encaminhados para a Superintendência da PF em Campo Grande. Presos deverão ser ouvidos nas respectivas cidades onde forem localizados. NOME O nome dado à operação é em alusão à passagem bíblica do retorno de Lázaro à vida, já que o grupo criminoso utilizava de pessoas falecidas para se beneficiar. CorreiodoEstado