12/07/2016 13h36min - Polícia
6 anos atrás

Médico abandonava plantões para coordenar contrabando, diz PF

Suspeito, preso em Loanda, no PR, é apontado como chefe da quadrilha.

Divulgação/Polícia Federal ► Quadrilha utilizava os rios Paraná e Ivaí para transportar cigarros contrabandeados do Paraguai

Odilo Balta / jornalcorreiodosul@terra.com.br
Fonte: Assessoria de Comunicação


A operação da Polícia Federal para combater o contrabando de cigarros do Paraguai prendeu nesta terça-feira (12) um médico e um advogado suspeitos de liderarem o esquema criminoso. Além deles, outros nove suspeitos foram detidos. As investigações, que iniciaram em 2012, apontam que o grupo chegou a movimentar R$ 1,8 milhão por dia em cigarros contrabandeados. A operação denominada de "Pleura" ocorre no Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul. Segundo a PF, o médico atuava em dois hospitais públicos das cidades de Santa Isabel do Ivaí e Santa Cruz de Monte Castelo, no noroeste do Paraná. O suspeito chegou a abandonar alguns plantões nas duas unidades para coordenar o contrabando de mercadorias. "Detectamos que ele deixou alguns plantões em dois hospitais públicos e foi até os portos onde as embarcações atracavam para dar apoio e coordenar o transporte dos cigarros contrabandeados", detalha o delegado da Polícia Federal, Alexander Boeing Noronha Dias. A Operação "Pleura" cumpre 21 mandados de prisão preventiva e 17 de busca e apreensão em três estados. Os mandados estão sendo cumpridos em Loanda, Querência do Norte e Capanema, no Paraná; em São Paulo, na cidade de Tupã; e em Mato Grosso do Sul, no município de Naviraí. Seis dos 21 alvos de prisão são contra fornecedores que estão no Paraguai, segundo a PF. Eles serão incluídos na lista de procurados da Interpol. "Eles já atuavam há algum tempo com o contrabando. Na casa do médico encontramos anotações com toda a contabilidade da quadrilha, o que deixou claro a atuação deles. Já na casa do advogado encontramos uma grande quantidade de munição", pontua o delegado da PF. Ao longo das investigações a Polícia Federal descobriu que o grupo movimentava cerca de R$ 1,8 milhão por dia em cigarros contrabandos do Paraguai. Diariamente, 2.500 caixas da mercadoria eram carregadas em barcos, transportadas pelos rios Paraná ou Ivaí, e descarregadas em portos clandestinos de Querência do Norte. De lá, a mercadoria era levada por veículos pequenos até propriedades rurais da região, de onde eram distribuídas em caminhões com destino a São Paulo e cidades do interior paulista. A Polícia Federal estima que o grupo sonegava R$ 4 milhões em tributos diariamente. Por ano, a sonegação ultrapassava R$ 1,5 bilhão. "Com o reforço da fiscalização em Guaíra, a quadrilha passou a utilizar uma nova rota para contrabandear os cigarros. Como a região de Querência do Norte não tem um policiamento ostensivo, o grupo se sentia a vontade para atuar. Mas, após algumas apreensões de caminhões, os motoristas presos relataram que os produtos foram carregados em Querência do Norte. Tivemos vários relatos, o que nos fez investigar aquela região", explica o delegado Alexander Boeing Noronha Dias. O esquema criminoso gerou a criação de uma extensa rede de olheiros, carregadores e batedores que utilizavam armas e lanchas de apoio para viabilizar a atividade em diversas cidades, segundo as investigações. O nome da operação "remete à membrana que protege o pulmão – principal órgão responsável pela respiração – em alusão à atividade delituosa enfrentada", explica a PF. G1