11/12/2015 14h00min - Naviraí
7 anos atrás

Naviraí decreta emergência após 323 casos confirmados de dengue

Prefeito cria comitê gestor para prevenir novos registros do vírus. Nos últimos 30 dias, foram notificados mais de 70 focos.

Odilo Balta / jornalcorreiodosul@terra.com.br
Fonte: Assessoria de Comunicação


A prefeitura de Naviraí, município distante 350 km de Campo Grande, decretou emergência para prevenir epidemia de doenças causadas pelo Aedis aegypti. Na cidade de cerca de 55 mil habitantes, foram notificados, em 2015, 1.210 casos da doença e confirmados 323. Nos últimos 30 dias foram encontrados 70 focos de proliferação do mosquito. Segundo o coordenador de endemias do município, José Pereira da Silva, para prevenir mais casos, também foi criado uma força tarefa. Este grupo deve reforçar a equipe de agentes para ajudar nas vistorias de imóveis e reduzir os focos de proliferação. MS tem 4ª maior incidência de casos de dengue, diz Ministério da Saúde O decreto de situação de emergência para "prevenção à epidemia de dengue, Zyca vírus e chicungunya", foi publicado no Diário Oficial dos Municípios desta sexta-feira (11) e tem validade por 180 dias. Com o decreto, a Gerência de Saúde do município terá que planejar e coordenar medidas de prevenção, estar em contato com gestores estaduais e federais, encaminhar ao prefeito constantes relatórios sobre as ações e divulgar à população informações sobre a situação. A prefeitura também pede que os demais órgãos do município participem do enfrentamento às doenças causadas pelo Aedes aegypti. Campo Grande A capital sul-mato-grossense está em situação de epidemia de dengue. Várias ações estão sendo realizadas de prevenção à proliferação do mosquito causador. Até o Exército Brasileiro ajuda. Militares recolhem pneus e encaminham para empresa que faz reciclagem. O órgão do Ministério da Defesa também montou tendas para atendimentos médicos em duas unidades de saúde. São profissionais da prefeitura que fazem os atendimentos. A situação epidemia de dengue foi anunciada pelo secretário-adjunto de saúde do município, médico Vitor Rocha, na quarta-feira (2). A última epidemia da doença tinha sido em janeiro de 2013. Segundo a Sesau, de 27 de janeiro a 8 de dezembro foram 7.614 notificações, sendo 3.819 casos confirmados. Destes, cinco foram considerados graves. Na capital sul-mato-grossense, oito bairros estão em alerta por causa da alta incidência da doença: Nova Campo Grande, Monte Castelo, Coronel Antonino, Vila Margarida, Jardim dos Estados, Tijuca, Aero Rancho e Jardim Batistão. Outras doenças Com relação à chikungunya, de 27 de janeiro a 8 de dezembro ocorreram 74 notificações, com dois casos confirmados, considerados importados de outros locais e tratado na capital. Quanto ao zika vírus, o levantamento feito pela Sesau até a terça-feira (08) aponta 75 casos investigados com suspeita da doença e nenhum caso confirmado. Cuidados Além das ações do poder público, a população também pode e deve colaborar para evitar a proliferação do mosquito. Não deixar água acumulada é o principal cuidado, já que é onde a fêmea bota os ovos. Cada vez, um mosquito deposita cerca de 40 ovos. Transmissor O aedes aegypti é o transmissor da dengue e de diversas outras doenças. Nesse período de temperaturas altas, a reprodução do mosquito é acelerada. “As temperaturas não mais altas, esse tempo tende a diminuir, então a quantidade de insetos que são lançados no ambiente é muito maior”, explicou Alessandra Gutierrez de Oliveira, doutora em Biologia Parasitária. G1