10/12/2015 09h59min - Naviraí
7 anos atrás

Naviraí vai abrir vagas para combater vírus do chikungunya e zika

Ambos os vírus são graves e provocam sequelas temporárias

Divulgação ► Prefeitura vai contratar 13 profissionais para combater Aedes aegypti.

Odilo Balta / jornalcorreiodosul@terra.com.br
Fonte: TáNaMídia Naviraí


Há pouco tempo atrás, o Aedes aegypti era conhecido apenas como “mosquito da dengue”; em Mato Grosso do Sul, mas, agora, também o é da chikungunya e do zika. Ambos os vírus são graves e provocam sequelas temporárias. Em MS, 119 casos foram notificados de chikungunya e nenhum de zika até o momento. O infectologista da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Rivaldo Venâncio, comentou o avanço no número de casos dessas doenças no Estado, e mostrou preocupado quanto a uma nova epidemia. “Não tem solução em curto prazo (…) é questão de tempo”, avaliou. Segundo a gerente de saúde de Naviraí, Anelize Coelho, as ações ao combate do mosquito, Aedes aegypti serão intensificadas. Segundo ela, o prefeito Léo Matos, preocupado com o avanço do vírus pelo País, autorizou a contratação temporária de 10 pessoas para o serviço de borrifação e outros três agentes de endemias do último concurso público. “Eles vêm para reforçar a equipe e combater o mosquito, hoje como não existe a vacina, o combate ao Aedes aegypti é a solução para evitarmos uma epidemia chikungunya e zika”, observou. De e acordo coordenador do Setor de Controle de Vetores em Naviraí, José Pereira da Silva, até o momento nem um caso de chikungunya e do zika foi registro, mas intenção da administração é prevenir que essas doenças avancem ao município. “A prevenção sempre é o melhor remédio”, resumiu. A transmissão do zika vírus pelo Aedes aegypti provocou o aumento dos casos de microcefalia no país, principalmente na região Nordeste. Médicos são unânimes: nesse momento, entrar em guerra contra o Aedes aegypti é o melhor que se pode fazer. TanaMidiaNaviraí