04/11/2014 16h56min - Geral
8 anos atrás

Novembro Azul é lançado em Brasília para combater o câncer de próstata

Novembro Azul

divulgação ► Atores e ateltas como Zico estarão na Campanha este mês

Odilo Balta / jornalcorreiodosul@terra.com.br
Fonte: Assessoria de Comunicação


Na abertura da campanha de conscientização sobre o câncer de próstata, Novembro Azul, segunda-feira (3), o presidente da Comissão de Assuntos Sociais, senador Waldemir Moka (PMDB) ressaltou a falta de médicos especialistas para atender a população masculina no país. “A carência de urologistas no Sistema Único de Saúde (SUS) ainda é alta. Estamos fazendo um esforço e tentando conscientizar a população masculina, mas não há médicos para atender o aumento da demanda”, ponderou o senador, ao presidir a sessão do Congresso Nacional de lançamento da campanha. A Sociedade Brasileira de Urologia diz que o número de médicos especialistas em todo o território nacional é de 4.500. No SUS, segundo dados divulgados pelo ministério da Saúde, são apenas 1.122 urologistas. A SBU defende a ampliação dos centros de Saúde do Homem com atendimento na saúde pública com o objetivo de aumentar o acesso dos homens para diagnóstico de câncer de próstata. O levantamento “Perfil dos Médicos no Brasil”, realizado pela Fundação Oswaldo Cruz em parceria com o Conselho Federal de Medicina, Associação Médica Brasileira e Federação Nacional dos Médicos mostra, ainda, que o grande número de urologistas no Brasil está concentrado nas grandes capitais, principalmente na região Sudeste. Preconceito As pesquisas mostraram que 47% dos homens nunca fizeram exames para detectar o câncer de próstata. A campanha pretende desmistificar a doença, que, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), acomete um a cada seis homens no país e é a segunda causa de morte entre os brasileiros do sexo masculino, ficando atrás somente das doenças cardíacas. A cada 40 minutos, um homem morre no Brasil, vítima da doença. Proporcionalmente, esse tipo de câncer acaba se tornando mais frequente do que o câncer de mama, o mais comum entre as mulheres. A senadora Ana Amélia (PP-RS), grande incentivadora da campanha e requerente da sessão especial realizada no plenário do Senado, lembrou que 30% das vítimas da doença procuram o médico tardiamente e ainda há muito tabu em relação ao exame preventivo. “O homem cuida mais do automóvel do que da saúde”, brincou em seu discurso na tribuna. Detectar a doença precocemente é fundamental para o tratamento, porque nessa fase, 90% dos casos são curáveis. No início, não há sintomas, por isso, a ida anual ao urologista é essencial para o acompanhamento. O mês de novembro foi escolhido porque o dia 17 é considerado o Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata. Logo após a sessão, o Congresso foi iluminado de azul. No Rio de Janeiro, o Cristo Redentor e a Igreja da Penha também receberam a luz azul.