12/05/2017 08h47min - Geral
5 anos atrás

OAB ajuíza ação para suspender cobrança de pedágio na BR-163


Assessoria ► Flagrante do momento em que a OAB/MS protocolava no Fórum a petição pedindo a suspensão da cobrança do pedágio.

Odilo Balta / jornalcorreiodosul@terra.com.br
Fonte: Assessoria de Comunicação


A Ordem dos Advogados, Seccional Mato Grosso do Sul (OAB/MS), ajuizou ação na manhã desta quinta-feira (11) na Justiça Federal contra a CCR MSVia para que concessionária, responsável pela BR-163 no Estado, deixe de cobrar pedágio enquanto a duplicação da rodovia estiver suspensa ou retome as obras. A empresa protocolou na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) pedido de revisão de contrato e paralisou as obras no dia 12 de abril justificando uma redução de 35% na arrecadação prevista inicialmente, e majoração de juros. O objetivo da ação judicial protocolada hoje pela OAB/MS é fazer com que a concessionária respeite a lei, e principalmente o edital e o contrato que foi firmado com a União. “A diretoria aprovou parecer da Comissão de Direito Administrativo da OAB e ajuizou uma medida cautelar de urgência antecedente no Judiciário. A empresa quer continuar a cobrança do pedágio para fazer a manutenção e a reparação da via, o que já é uma obrigação dela, e querem mantê-lo sem cumprir sua obrigação principal, que é fazer a duplicação. Isso é, para nós, uma forma abusiva e um desvirtuamento do contrato”, avaliou o presidente da OAB/MS, Mansour Elias Karmouche. A pedido da diretoria, a Comissão de Direito Administrativo (CDADM) da OAB/MS analisou o contrato administrativo entre a União e a CCR MS Via, edital da licitação 005/2013 da ANTT, bem como aos princípios e leis que regulamentam a concessão e a administração pública. De acordo com o vice-presidente da CDADM, nomeado assessor especial da ação, Paulo Eugênio Portes, a paralisação das obras é um ato que infringe o contrato entre a concessionária e o Governo Federal. Por isso, a Comissão pede que “sejam retomadas imediatamente as obras de duplicação”. Segundo ele, a ação é o início de várias etapas judiciais que poderão ser apresentadas, o que pode gerar no futuro uma ação civil pública a ser proposta juntamente com outras medidas que concerne as atitudes irregulares da CCR MS Via. Também estiveram presentes na Justiça Federal nesta manhã o vice-presidente da OAB/MS, Gervásio Alves de Oliveira Junior; o secretário geral adjunto, Vinícius Monteiro Paiva; o diretor-tesoureiro Stheven Razuk. (Texto: Ascom OAB/MS). NaviraíNotícias