24/08/2017 09h01min - Política
5 anos atrás

Reinaldo Azambuja cobra repasse atrasado de R$ 54 milhões em Brasília

Reinaldo Azambuja

Divulgação ► Em Brasília, Reinaldo cobrou do Governo repasses atrasados.

Odilo Balta / jornalcorreiodosul@terra.com.br
Fonte: Midiamax News


Reinaldo Azambuja (PSDB) cobrou do governo federal, na quarta-feira (23), repasse de R$ 54 milhões destinados a pavimentação de rodovias, reparo de pontes e compra de medicamentos. Reunião ocorreu em Brasília (DF). Ao ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República, Antonio José Imbassahy, o governador disse ter antecipado execução das obras porque “a população não poderia esperar pela liberação desses recursos [federais]”. No pacote de repasses em atraso estão obras de pavimentação de rodovias do Programa Sul-Fronteira (R$ 5,6 milhões), recuperação de pontes no interior destruídas pela chuva há dois anos (R$ 19 milhões), assim como atendimento e estoque de medicamentos (R$ 30 milhões). “O ministro está sensível ao nosso pleito e vai conversar pessoalmente com o presidente [Michel] Temer. Mostramos que precisamos desse reforço de caixa para mantermos o cronograma de obras e fazer os repasses na área da saúde”, ressaltou Azambuja. Rota Bioceânica Acompanhado do senador Waldemir Moka (PMDB), o governador esteve reunido também com o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, para tratar da rota bioceânica que pretende interligar Brasil, Paraguai e Argentina aos portos do norte do Chile. Tratativas com o presidente, conforme o ministro, serão retomadas em setembro. Isso porque a proposta carece de aprovação da Câmara e do Senado para construção de ponte binacional entre a cidade sul-mato-grossense de Porto Murtinho e a paraguaia Carmelo Peralta. Obra está estimada em R$ 300 milhões, havendo interesse do governo brasileiro de viabilizá-la com financiamento do Fonplata (Fundo Financeiro para o Desenvolvimento da Bacia do Prata). Seu trajeto, quando concluído, será de 2,5 quilômetros de extensão sob o Rio Paraguai. Houve compromisso, por parte de Ferreira, de se colocar os líderes do governo na Câmara e Senado “para que o projeto caminhe o mais rápido possível”. MidiaMaxNews